Imprimir

A vacinação é a forma mais eficaz e segura de se adquirir proteção contra uma doença infecciosa. A vacinação elimina ou reduz drasticamente o risco de adoecimento ou de manifestações graves, que podem levar à internação e até mesmo ao óbito. Por ano, a vacinação evita de dois a três milhões de mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por isso dizemos que:

Proteção

A proteção gerada pelas vacinas decorre da capacidade que elas têm de induzir nosso sistema de defesa a produzir imunidade, seja por meio da ação de células ou de anticorpos específicos.

No caso das vacinas contra a COVID-19 produzidas pelo Instituto Butantan/Sinovac (Coronavac) e pela Fiocruz/Universidade de Oxford/AstraZeneca a quantidade de anticorpos suficiente contra a doença é obtida por volta de 15 dias após a segunda dose.

Por que se vacinar contra a COVID-19?

Cuidados que devem permanecer após a vacinação

Ainda faltam dados para sabermos se as vacinas, além da proteção contra a doença provocada pelo novo coronavírus − especialmente sua forma grave −, também conseguem impedir a transmissão do vírus entre as pessoas. A ciência dará essa resposta em breve. Até lá, temos que manter todas as medidas de contenção do espalhamento do vírus: a higiene das mãos com água e sabão ou álcool em gel 70%, o uso regular e correto de máscara e o distanciamento físico.

Proteção coletiva

Estima-se que quando atingirmos 70 a 80% de cobertura vacinal na população brasileira (exceto a população infantil), conseguiremos obter a imunidade coletiva ou imunidade de rebanho. O prazo para alcançarmos essa meta depende do número de doses de vacinas disponíveis e do tempo que o país vai levar para vacinar toda a população-alvo.

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn