Imprimir

O texto a seguir é um resumo das diretrizes da ação. A íntegra e outros informes técnicos podem ser acessados em https://sbim.org.br/informes-e-notas-tecnicas/outras-entidades.

Objetivos do Plano

Grupos prioritários

Considerando a transmissibilidade da COVID-19 (R0 entre 2,5 e 3), cerca de 60 a 70% da população precisaria estar vacinada para interromper a circulação do vírus. Até o momento, no entanto, o mercado mundial não dispõe de vacinas suficientes para esses índices serem alcançados.

O plano de vacinação desenvolvido pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) em cooperação com o comitê de especialistas da Câmara Técnica foi baseado em princípios similares aos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e em considerações sobre a viabilização operacional das ações.

Diante do cenário, inicialmente, a vacinação tem como focos:

estimativa-populacional-campanha-covid-19-2021.png

Fonte: Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a COVID-19 – 4ª Edição – Brasília - DF |15/02/2021

 

descricao-comorbidades-prioritarias-vacinacao-covid-19.png

Fonte: Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a COVID-19 – 4ª Edição – Brasília - DF |15/02/2021

Observações

As vacinas

Diante da necessidade das vacinas como medida adicional na prevenção da COVID-19, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial das seguintes vacinas, já incorporadas à campanha:

A Anvisa concedeu o registro definitivo para a vacina produzida pela Pfizer/BioNtech. O imunobiológico, entretanto, ainda não foi comprado pelo país. Saiba mais sobre vacinas COVID-19.

Farmacovigilância

A vigilância de eventos adversos é obrigatória para qualquer vacina ou medicamento, pois permite identificar e investigar qualquer ocorrência inesperada.

Saiba mais na seção Boas Prática em vacinas COVID-19.

Registro da vacinação

O registro da dose aplicada será nominal e individualizado. Essa modalidade garante o reconhecimento dos vacinados por meio do número do CPF ou do Cartão Nacional de Saúde (CNS), a fim de possibilitar evitar duplicidade de vacinação e identificar/monitorar a investigação de possíveis EAPV.

Saiba mais na seção Boas Prática em vacinas COVID-19.

Rede de frio

A Rede de Frio Nacional organiza-se nas três esferas de gestão, viabilizando a adequada logística de aproximadamente 300 milhões de doses dos 47 imunobiológicos distribuídos anualmente pelo PNI, para garantia de vacinação em todo o território nacional.

central-nacional-rede-de-frio.png

O PNI

Criado em 18 de setembro de 1973, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) é responsável por estabelecer a política nacional de imunizações. Tem como missão reduzir a morbimortalidade por doenças imunopreveníveis, a partir do fortalecimento de ações integradas de vigilância para promoção, proteção e prevenção em saúde.

Reconhecido no Brasil e no exterior, o PNI é um dos maiores programas de imunização do mundo — atende a aproximadamente 211,8 milhões de pessoas. Trata-se de um patrimônio do estado brasileiro, mantido pelo comprometimento e dedicação de profissionais da saúde, gestores e de toda a população. A ampla expertise acumulada ao longo de décadas habilita o PNI a promover a vacinação contra a COVID-19.

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn