Imprimir

Vacinação de pessoas com câncer ou em uso de drogas imunodepressoras

Por que o cuidado especial?

Pessoas com câncer ou em tratamento com drogas imunodepressoras têm o sistema de defesa do organismo enfraquecido, o que aumenta a probabilidade de infecções e complicações, inclusive morte, por diversas doenças, muitas delas preveníveis por vacinas. Imunizar essa população é essencial, mas requer alguns cuidados.

Particularidades para a vacinação

Idealmente, todas as vacinas recomendadas deveriam ser aplicadas antes do início da quimioterapia ou radioterapia, tanto por uma questão de segurança quanto para a produção adequada de anticorpos. As vacinas inativadas, ao menos duas semanas antes, e as de vírus vivos atenuados, quatro semanas antes (ou no mínimo 15 dias, se o prazo maior for inviável).

A necessidade de combater o câncer com agilidade, no entanto, nem sempre permite observar os intervalos. Se for o caso, as vacinas inativadas podem ser administradas durante o tratamento imunodepressor com segurança. O único porém é que, como pode haver prejuízo à resposta imunológica, será necessário revacinar após a interrupção do tratamento.

As vacinas vivas atenuadas, por outro lado, não devem ser administradas durante este tratamento. Depois da interrupção, elas podem ser recomendadas, mas há restrições (ver “Outras recomendações”).  

Seja qual for o cenário, pessoas de contato domiciliar frequente e as equipes responsáveis pelo atendimento do paciente imunodeprimido precisam estar com o calendário em dia, a fim de reduzir o risco de transmissão.

Vacinas especialmente recomendadas

Influenza (gripe)

A vacina influenza quadrivalente (4V) é preferível à vacina influenza trivalente (3V), por proteger contra mais tipos do vírus responsável pela doença. Na impossibilidade de uso da vacina 4V, utilizar a 3V.

Esquema de doses

Para crianças que iniciam a vacinação entre 6 meses e 8 anos de idade: duas doses, com intervalo de 30 dias, e uma dose anual nos anos seguintes.

A partir dos 9 anos de idade: uma dose anual.

Onde se vacinar

Vacina influenza trivalente (3V): UBS, CRIE e serviços privados de vacinação.

Vacina influenza quadrivalente (4V): serviços privados de vacinação.

Pneumocócicas

Para a proteção adequada de pessoas com câncer ou em uso de drogas imunodepressoras, recomenda-se o esquema com dois tipos de vacinas pneumocócicas, complementares e não excludentes: iniciando com uma vacina conjugada, seguida da vacina polissacarídica.

Vacinas pneumocócicas conjugadas (VPC10 e VPC13)

Para menores de 6 anos, usar VPC13 sempre que possível, pois ela previne um número maior de pneumococos. Para maiores de 6 anos e adolescentes, a única vacina pneumocócica conjugada licenciada e recomendada é a VPC13.

Esquema de doses

Crianças até 12 meses: consultar Calendário de vacinação SBIm criança. Na rede pública, nesses casos, são oferecidas três doses de VPC10, aos 2, 4 e 6 meses, e um reforço aos 12 meses.

Crianças entre 12 e 71 meses que não receberam a VPC13, mesmo que adequadamente vacinadas com a VPC10: duas doses de VPC13, com intervalo de dois meses.

Crianças a partir de 6 anos, adolescentes, adultos e idosos não vacinados com VPC13: uma dose de VPC13.

Para pessoas que já receberam a VPP23, mas ainda não foram vacinadas com a VPC13, recomenda-se um intervalo de 12 meses para a aplicação da VPC13.

Onde se vacinar

VPC10: CRIE, para menores de 5 anos.

VPC13

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23)

Esquema de doses

A partir dos 2 anos de idade: duas doses com intervalo de cinco anos entre elas.

Preferencialmente, iniciar esquema com a vacina conjugada (VPC10 ou VPC13), seguida pela aplicação da vacina VPP23 dois meses depois.

Se a segunda dose de VPP23 foi aplicada antes de 60 anos de idade, uma terceira está recomendada após essa idade, com intervalo mínimo de cinco anos em relação à última dose.

Onde se vacinar

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Haemophilus influenzae b (Hib)

Esquema de doses

Crianças menores de 1 ano: iniciar aos 2 meses de idade.

Crianças maiores de 1 ano, adolescentes e adultos não vacinados anteriormente ou com esquema incompleto: duas doses com intervalo de dois meses.

Onde se vacinar

CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Meningocócicas conjugadas (MenC ou ACWY)

Sempre que possível, preferir a vacina meningocócica conjugada ACWY, que oferece proteção contra mais tipos de meningococos.

Esquema de doses

Crianças e adolescentes: consultar calendários de vacinação SBIm para cada faixa etária.

Crianças entre 1 e 2 anos: uma ou duas doses (com intervalo de dois meses), a depender do fabricante da vacina.

Crianças maiores de 2 anos, adolescentes e adultos não vacinados, se imunodeprimidos: duas doses com intervalo de dois meses.

Atenção: uma dose de reforço deverá ser aplicada a cada cinco anos após o fim do esquema de doses básico para cada faixa etária, enquanto durar a imunodepressão.

Onde se vacinar

MenC

ACWY


Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Meningocócica B

Esquema de doses

Crianças e adolescentes: consultar calendários de vacinação SBIm para diferentes faixas etárias.

Adultos: duas doses com intervalo de um a dois meses entre elas.

Para pessoas em uso de eculizumab ou ravulizumab, recomenda-se uma dose de reforço um ano após o fim do esquema de doses básico para cada faixa etária. Revacinar a cada dois ou três anos.

Onde se vacinar

Serviços privados de vacinação.

Hepatite A

Esquema de doses

Crianças: duas doses a partir de 1 ano de idade, com intervalo de seis meses.

Adolescentes e adultos não vacinados anteriormente: duas doses com intervalo de seis meses.

Onde se vacinar

CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Hepatite B

Esquema de doses

Crianças, adolescentes e adultos: quatro doses, com intervalos de um mês entre a primeira e a segunda; um mês entre a segunda e a terceira; e seis meses entre a primeira e a quarta (esquema 0 - 1 - 2 - 6 meses). O volume da dose deve ser o dobro do recomendado para a faixa etária.

É necessário realizar controle sorológico um a dois meses após a última dose, para avaliar se a resposta foi satisfatória e a pessoa está de fato protegida.

Onde se vacinar

CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

HPV

Esquema de doses

Três doses a partir dos 9 anos, com intervalos de um a dois meses entre a primeira e a segunda doses e de seis meses entre a primeira e a terceira. O esquema de três doses é obrigatório, inclusive para menores de 15 anos.

Onde se vacinar

HPV4

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Outras recomendações

As vacinas abaixo estão recomendadas de rotina, sem restrições. Ver calendários de vacinação SBIm para cada faixa etária.

As vacinas abaixo estão recomendadas de rotina, com restrições. Ver “Precauções e contraindicações”, a seguir:

Para esquema de doses e onde se vacinar, acesse os calendários de vacinação SBIm para cada faixa etária.

Precauções e contraindicações

Algumas vacinas são contraindicadas em vigência de imunodepressão grave. Por isso, devem ser administradas de preferência três a quatro semanas antes do início do tratamento. Se não for possível, o intervalo mínimo a ser respeitado é de 15 dias. São elas a BCG, rotavírus, tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), varicela, herpes zóster e febre amarela.

Para esquema de doses e onde se vacinar, acesse os calendários de vacinação SBIm para cada faixa etária.

Vacinacão de contatos domiciliares

Os CRIE disponibilizam para contatos domiciliares de pacientes imunodeprimidos:

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn