Imprimir

Pessoas transplantadas de células-tronco hematopoiéticas (TCTH)

Por que o cuidado especial?

O transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH) é tratamento indicado para alguns tipos de câncer (como leucemias, linfomas, mielomas e neuroblastoma); doenças autoimunes, e outras enfermidades.

Pessoas com indicação de TCTH apresentam risco aumentado para infecções, muitas preveníveis por vacinas, seja antes do transplante — pela doença de base ou a quimioterapia preparatória —, seja após o transplante, devido à possibilidade de rejeição — também chamada de doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH) — e/ou terapia imunossupressora.

Particularidades para a vacinação

Vacinas aplicadas antes do transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH) deverão ser desconsideradas e os esquemas de doses reiniciados.

A programação da vacinação após o TCTH tem como referência o tempo mínimo a ser respeitado entre o procedimento e a aplicação das diferentes vacinas e o intervalo recomendado (ou mínimo) entre as doses de cada esquema vacinal.

As recomendações específicas das vacinas e seus esquemas aqui abordados são para maiores de 1 ano. O TCTH raramente é feito ainda no primeiro ano de vida e, quando isso ocorre, o intervalo mínimo entre o procedimento e a revacinação, em geral, não permite a aplicação das vacinas antes de a criança completar 1 ano.

No pré-transplante, as vacinas atenuadas estão contraindicadas. Já as vacinas inativadas podem ser administradas até duas semanas antes do início da quimioterapia pré-transplante ou de outros preparos (se necessário). No entanto, tais vacinas deverão ser repetidas em três a 12 meses, a depender de alguns fatores, como o tipo de transplante, ocorrência de rejeição (DECH) e imunodepressão.

Vacinas atenuadas também estão contraindicadas em caso de DECH no pós-transplante e/ou terapia imunodepressora.

Vacinas especialmente recomendadas

Influenza (gripe)

A vacina influenza quadrivalente (4V) é preferível à vacina influenza trivalente (3V), por proteger contra mais tipos do vírus responsável pela doença. Na impossibilidade de uso da vacina 4V, utilizar a 3V.

Esquema de doses

Para crianças que iniciam a vacinação entre 6 meses e 8 anos de idade: duas doses, com intervalo de 30 dias, e uma dose anual nos anos seguintes.

A partir dos 9 anos de idade: uma dose anual.

Onde se vacinar

Vacina influenza trivalente (3V): UBS, CRIE e serviços privados de vacinação.

Vacina influenza quadrivalente (4V): serviços privados de vacinação.

Pneumocócicas

Para a proteção adequada de pessoas submetidas a transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH), recomenda-se o esquema com dois tipos de vacinas pneumocócicas, complementares e não excludentes: iniciando com uma vacina conjugada, seguida da vacina polissacarídica.

Vacinas pneumocócicas conjugadas (VPC10 e VPC13)

Para menores de 6 anos, usar VPC13 sempre que possível, pois ela previne um número maior de pneumococos. Para maiores de 6 anos e adultos, a única vacina pneumocócica conjugada licenciada e recomendada é a VPC13.

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Para crianças, adolescentes, adultos e idosos: três doses com intervalo de dois meses entre elas (ou intervalo mínimo de um mês).

Para pessoas que já receberam a VPP23 após o TCTH, mas ainda não foram vacinadas com a VPC13, recomenda-se um intervalo de 12 meses para a aplicação da VPC13.

Onde se vacinar

VPC10: CRIE, para menores de 5 anos.

VPC13

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23)

Esquema de doses

A partir dos 2 anos de idade: duas doses com intervalo de cinco anos entre elas.

Preferencialmente, iniciar esquema com a vacina conjugada (VPC10 ou VPC13), seguida pela aplicação da vacina VPP23 dois meses depois.

Se a segunda dose de VPP23 foi aplicada antes de 60 anos de idade, uma terceira dose está recomendada após essa idade, com intervalo mínimo de cinco anos em relação à última dose.

Onde se vacinar

CRIE: duas doses.

Serviços privados de vacinação: inclusive terceira dose para quem foi vacinado antes dos 60 anos.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Haemophilus influenzae b (Hib)

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Para crianças, adolescentes, adultos e idosos: três doses com intervalo de dois meses entre elas (ou intervalo mínimo de um mês).

Onde se vacinar

CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Meningocócicas conjugadas (MenC ou ACWY)

Sempre que possível, preferir a vacina meningocócica conjugada ACWY, pois ela oferece proteção contra mais tipos de meningococos.

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Para crianças, adolescentes, adultos e idosos: duas doses com intervalo de dois meses entre elas (ou intervalo mínimo de um mês).

Atenção: após o fim do esquema de doses básico para cada faixa etária, uma dose de reforço deve ser aplicada a cada cinco anos.

Onde se vacinar

MenC: CRIE e serviços privados de vacinação.

ACWY: serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Meningocócica B

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Para crianças, adolescentes, adultos e idosos: duas doses com intervalo de um a dois meses entre elas.

Onde se vacinar

Serviços privados de vacinação.

Pólio inativada

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Para crianças, adolescentes, adultos e idosos: três doses com intervalo de dois meses entre elas (intervalo mínimo de um mês).

Onde se vacinar

Serviços privados de vacinação como parte das vacinas combinadas (dTpa-VIP, penta acelular e hexa).

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Hepatite A

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Para crianças a partir de 1 ano, adolescentes, adultos e idosos: duas doses com intervalo mínimo de seis meses entre elas.

Onde se vacinar

CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Hepatite B

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Crianças, adolescentes, adultos e idosos: três doses, com intervalos de um mês entre a primeira e a segunda; e de seis meses entre a primeira e a terceira (esquema 0 - 1 - 6 meses).

É necessário realizar controle sorológico um a dois meses após a última dose para avaliar se a resposta foi satisfatória e a pessoa está de fato protegida.

Onde se vacinar

CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

HPV

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Crianças a partir dos 9 anos, adolescentes e adultos: três doses com intervalos de um a dois meses entre a primeira e a segunda; e de seis meses entre a primeira e a terceira.

Onde se vacinar

HPV4

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Tríplice bacteriana (DTPw, DTPa e dTpa) e suas combinações e dupla do tipo adulto (dT)

Previnem coqueluche, tétano, difteria e outras doenças, no caso das combinações. O uso das vacinas acelulares (DTPa, dTpa e suas combinações) é preferível por causar menos reações do que as vacinas de células inteiras (DTPw e DTPw-HB/Hib).

Esquema de doses

A vacinação deve ser iniciada três a seis meses após o transplante.

Crianças de até 6 anos: três doses de DTPw ou DTPa ou de vacinas combinadas contendo DTPa ou DTPw. Intervalo de dois meses entre a primeira e segunda dose e de seis meses entre a segunda e a terceira dose.

Crianças a partir de 7 anos, adolescentes, adultos e idosos: 1ª dose com dTpa (ou dTpa-VIP) seguida de duas doses de dT (dois e seis meses depois da dose de dTpa).

Após o esquema de doses básico para cada faixa etária, fazer reforço com dTpa (preferencialmente) ou dT a cada dez anos.

Onde se vacinar

DTPw e DTPw-HB/Hib: UBS, para menores de 7 anos.

DTPa: CRIE, para menores de 7 anos.

DTPa e suas combinações: serviços privados de vacinação, para crianças. A faixa etária de indicação varia de acordo com a bula das vacinas.

dTpa

dTpa-VIP: serviços privados de vacinação, para pessoas a partir de 3 anos.

dT: UBS e CRIE, para pessoas a partir de 7 anos.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Febre amarela

Está contraindicada nos 24 meses posteriores ao transplante e antes da recuperação do sistema imunológico. Em caso de rejeição após o procedimento ou necessidade de terapia imunodepressora, a vacinação também está contraindicada.

Esquema de doses

Ver calendários de vacinação SBIm para cada faixa etária.

Onde se vacinar

UBS, CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Tríplice viral (sarampo, caxumba, rubéola)

Está contraindicada nos 12 meses posteriores ao transplante. Deve ser evitada nos 24 meses posteriores ao transplante e antes da recuperação do sistema imunológico. Em caso de rejeição após o procedimento ou necessidade de terapia imunodepressora, a vacinação também está contraindicada.

Esquema de doses

Crianças a partir de 1 ano, adolescentes, adultos e idosos: duas doses com intervalo mínimo de um mês entre elas.

Onde se vacinar

UBS, CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Varicela

Está contraindicada nos 24 meses posteriores ao transplante e antes da reconstituição imunológica. Em caso de rejeição após o procedimento ou necessidade de terapia imunodepressora, a vacinação também está contraindicada.

Esquema de doses

Crianças a partir de 1 ano, adolescentes, adultos e idosos, se suscetíveis: duas doses com intervalo de um a três meses, a depender da idade.

Onde se vacinar

Varicela: CRIE e serviços privados de vacinação.

Acesse aqui a lista com os endereços e telefones dos CRIE. Caso não exista um na sua cidade, compareça à UBS mais próxima. Os profissionais poderão solicitar ao CRIE do estado o envio da vacina.

Herpes zóster

Está contraindicada nos 24 meses posteriores ao transplante e antes da reconstituição imunológica. Em caso de rejeição após o procedimento ou necessidade de terapia imunodepressora, a vacinação também está contraindicada.

Esquema de doses

Maiores de 50 anos: uma dose.

Onde se vacinar

Serviços privados de vacinação.

Precauções e contraindicações

Tabela — Recomendações para revacinação após transplante de células-tronco hematopoiéticas em crianças e adultos

calend-tcth-revista-sbim-3-2020-201012b.jpg

Vacinacão de contatos domiciliares

É altamente recomendada e deve seguir os calendários de vacinação SBIm para cada faixa etária.

Os CRIE disponibilizam para contatos domiciliares de pacientes imunodeprimidos:

Vacinas tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) nos suscetíveis acima de 12 meses, duas doses, independentemente da idade.

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn