A febre amarela é uma doença viral potencialmente grave. A maior parte dos infectados apresenta poucos ou nenhum sintoma, mas transmite a doença caso seja picado por um mosquito e esse mosquito pique outra pessoa. Entre os que adoecem, a enfermidade pode ser muito severa, com letalidade que varia de 30 a 60%.

As primeiras manifestações são súbitas, com febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. Após um breve período de bem estar (dois dias), o quadro pode melhorar ou evoluir para a forma mais grave, marcada por insuficiências hepática e renail, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intensa.

Os indivíduos que se recuperam adquirem imunidade permanente.

Transmissão

Em áreas urbanas, a febre amarela é transmitida principalmente pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue. Nas áreas silvestres, o vírus também é encontrado em macacos, seus hospedeiros intermediários — ao picar o animal, o mosquito é contaminado e passa a infectar humanos.

A transmissão urbana da febre amarela desapareceu no Brasil em 1942, mas a forma silvestre é endêmica e eventualmente causa surtos e epidemias, como a que o país enfrenta desde 2017, quando a febre amarela silvestre chegou a áreas até então consideradas livres da enfermidade.

Com o objetivo de conter o aumento de casos, a expansão geográfica e o risco de reurbanização, o Ministério da Saúde realizou campanha de vacinação com doses fracionadas nos estados da Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. Além disso, passou a recomendar a vacinação para todo o território nacional, em ampliação que será feita de modo escalonado até abril de 2019.

Vacina disponível:

Febre amarela

Saiba mais:

Epidemiologia - http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela-sintomas-transmissao-e-prevencao/situacao-epidemiologica-dados (último acesso em 26/10/2018)

Cronograma de ampliação da vacinação no Brasil - http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42849-vacina-de-febre-amarela-sera-ampliada-para-todo-o-brasil (último acesso em 26/10/2018)

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn